segunda, 19 de agosto de 2019


Qui, 28 de Fevereiro de 2019 19:46

Ex-diretor da Dersa Paulo Vieira de Souza é condenado a 27 anos por fraude e formação de cartel no Rodoanel; Boa notícia, não fossem os intermináveis recursos, embargos e filigranas jurídico-processuais

Paulo Preto Preso Paulo Preto Preso


O ex-diretor da Dersa Paulo Vieira de Souza foi condenado nesta quinta-feira (28) a pena de 27 anos e oito dias de prisão, sendo os sete primeiros anos em regime fechado por fraude em licitações e formação de cartel.

Suspeito de ser operador do PSDB, ele está preso preventivamente desde 19 de fevereiro pela 60ª. Fase da Operação Lava Jato na sede da Polícia Federal em São Paulo aguardando transferência para Curitiba. Ao G1, em agosto de 2018, Paulo Vieira de Souza negou as fraudes. O G1 tentou contato com o advogado nesta quinta-feira, mas não obteve retorno.

Ele foi acusado pelo Ministério Público Federal em São Paulo de ter fraudado licitações e participado de formação de cartel em obras do trecho sul do Rodoanel e do Sistema Viário Metropolitano de São Paulo entre 2004 e 2015.

Na ação, procuradores da Força Tarefa da Lava Jato em São Paulo denunciaram 33 pessoas por estabelecerem cartel formado por várias construtoras, com o aval de agentes públicos das empresas Dersa (estadual) e Emurb (municipal) e na Secretaria Municipal de Infraestrutura e Obras da Prefeitura de São Paulo.

Em 2018, Vieira de Souza foi preso duas vezes em outro processo, que apura desvio de dinheiro das desapropriações do Rodoanel, em São Paulo, mas foi solto por ordem de Gilmar Mendes. Depois, a Segunda Turma do STF decidiu impor prisão domiciliar.

S5 Box