Qui, 24 de Novembro de 2016 11:53

Bagunça em grau máximo: categorias no Paraná fazem mobilização nesta sexta


Ação faz parte do “Dia Nacional de Mobilização e Paralisação Contra a Retirada de Direitos”, organizada pela Força Sindical e outras centrais. Em Curitiba, motoristas e cobradores, metalúrgicos e demais categorias já confirmaram participação no ato

A Força Paraná está mobilizando os trabalhadores do estado para o “Dia Nacional de Mobilização e Paralisação Contra a Retirada de Direitos” que acontece nesta sexta-feira (25). Os protestos são contra o corte de direitos trabalhistas que vem sendo propostos e realizados nacionalmente pelos poderes Judiciário, Executivo e Legislativo Federal e para exigir medidas mais efetivas para o reaquecimento da economia.

“Continuamos batendo na tecla de que retirar direitos não vai ter nenhum efeito na economia. O que precisamos é de juros baixos e medidas de fortalecimento de crédito. Não são os direitos da população que sangram os cofres públicos e sim os milhares de privilégios do executivo, judiciário e legislativo. Se cortar essas regalias é possível, inclusive, diminuir os impostos que sufocam a população. Nosso protesto é para deixar claro que a conta da crise não pode ficar no bolso dos trabalhadores”, diz o presidente da Força Paraná, Sérgio Butka.

Entre as categorias do estado que já confirmaram participação no ato nacional estão os motoristas, cobradores e metalúrgicos de Curitiba e Região Metropolitana, além dos Sindicatos da Força Sindical ligados à indústria, comércio e serviços das principais cidades do estado.

Na categoria metalúrgica, a ação é liderada pelo Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba e acontece nas principais empresas da categoria como Volvo, Volkswagen, Renault, Bosch, CNH, WHB, entre outras, e começarão nas entradas de turno, à partir das 6h.

No setor de transporte coletivo, teremos assembleias informativas nas entradas dos turnos, em todas as empresas da categoria, na Grande Curitiba, em ação coordenada pelo Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana (Sindimoc), o que deve atrasar os ônibus.

Os demais Sindicatos da Central, ligados à indústria, comércio e serviços, farão entrega de materiais de conscientização sobre o corte de direitos em suas empresas. A mesma ação acontece entre os Sindicato filiados à Força PR no interior do Estado.

Reinvindicações
Entre as principais reivindicações para superar a crise econômica, a Força sugere:
1) redução dos juros;

2) redução dos impostos para incentivar a atividade produtiva e o consumo;

3) ampliação do crédito;

4) programa de renovação da frota;

5) valorização do salário mínimo, das aposentadorias e da renda, visando aquecer o mercado interno;

6) auditoria cidadã da dívida pública brasileira;

7) correção da tabela do Imposto de Renda pela inflação.
8) Corte dos privilégios do Executivo, Legislativo e Judiciário mantidos com dinheiro público

Para uma Reforma da Previdência que não retira direitos, a Força defende as seguinte medidas
1) revisão ou fim das desonerações sobre a folha de pagamento das empresas;

2) revisão das isenções previdenciárias para entidades filantrópicas;

3) venda dos 3.485 imóveis em desuso da Previdência Social. A venda desses imóveis acarretaria uma arrecadação de R$ 1,5 bilhão;

4) fim da aplicação da DRU (Desvinculação de Receitas da União), que arranca dinheiro da Seguridade Social para pagar juros ao sistema financeiro;

5) criação do Refis (Programa de Refinanciamento) para cobrança dos R$ 236 bilhões de dívidas ativas com a Previdência;

6) melhoria da fiscalização da Previdência por meio do aumento do efetivo de fiscais em atividade ;

7) revisão das alíquotas de contribuição para a Previdência Social do setor do agronegócio, que hoje é isento;

8) destinar à Seguridade/Previdência as receitas fiscais oriundas da regulamentação dos bingos e jogos de azar.

(Com informações do portal Bem Paraná)

Voltar ao Topo