domingo, 15 de dezembro de 2019


Qui, 12 de Janeiro de 2017 21:43

Conselheiro do TCE-PR citado por delatores vira presidente da corte

Durval Amaral (meio) posa ao lado do novo vice-presidente e do novo corregedor-geral do TCE-PR (Foto: Wagner Araújo/TCE-PR) Durval Amaral (meio) posa ao lado do novo vice-presidente e do novo corregedor-geral do TCE-PR (Foto: Wagner Araújo/TCE-PR)


O conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR), Durval Amaral, tomou posse como presidente da entidade nesta quinta-feira (13). Eleito pelos pares em 2016, ele substituiu o conselheiro Ivan Bonilha, na presidência da corte de contas.

Durval Amaral está no Tribunal de Contas desde 2012, quando foi indicado pelo governador Beto Richa (PSDB). Nesses três anos, ele já foi citado em pelo menos duas delações premiadas de operações policiais. Uma é a Operação Publicano, que investiga fraudes na Receita Estadual do Paraná e a outra é a Operação Quadro Negro, que apura desvios de dinheiro na construção de escolas estaduais.

Na Operação Publicano, o ex-auditor fiscal Luiz Antônio de Souza contou no depoimento que Durval Amaral procurou o grupo da Receita em Londrina, no norte do estado, e pediu R$200 mil para a campanha do filho, Tiago Amaral, que disputava uma vaga na Assembleia Legislativa do Paraná. Ainda segundo o auditor, Durval Amaral sabia que era dinheiro de propina.

As investigações da Publicano apuram uma fraude em que auditores fiscais usavam do cargo para ameaçar empresários da região norte do Paraná e pediam propinas, em troca de possíveis multas que eles poderiam levar por irregularidades contábeis.

Já na Operação Quadro Negro, a denúncia contra Durval Amaral foi feita por uma funcionária da Construtora Valor, apontada como principal destino da fraude envolvendo o dinheiro que deveria ter sido usado para a construção de escolas públicas. Vanessa de Oliveira afirmou ter ouvido do chefe dela o nome de Durval Amaral, quando ele se referia a fazer pagamentos ilícitos a supostos beneficiários do esquema.

Durval Amaral nega a participação em ambos os esquemas investigados.

Contas de 2014
Durval Amaral foi o relator da prestação de contas do governo estadual em 2014. Na ocasião, o Ministério Público junto ao Tribunal de Contas do Paraná (MPC-PR) questionou o nome de Durval Amaral na relatoria.

Para o MPC, Amaral, por ter sido secretário-chefe da Casa Civil durante o primeiro mandato de Beto Richa, poderia ser influenciado devido à proximidade com o governador. A substituição do relator foi negada pelo Pleno do TCE-PR.

As contas do governador foram aprovadas com ressalvas.

Auditoria em presídios
Após a posse, nesta quinta-feira, Durval Amaral disse que vai abrir uma investigação nos presídios do Paraná, para levantar informações sobre o sistema prisional. O novo presidente da Corte de Contas diz que quer avaliar os gastos públicos na área da segurança pública. Amaral também prometeu punir gestores que possam ter cometido irregularidades, caso elas sejam descobertas pelo TCE-PR.

O novo presidente do TCE-PR vai seguir no cargo até o fim de 2018. Além dele, foram empossados o novo vice-presidente da entidade, o conselheiro Nestor Baptista e o novo corregedor-geral, conselheiro Fábio Camargo.(Do G1/PR)




Twitter - Políticos

Jair Bolsonaro


Ratinho Junior


Rafael Greca


Álvaro Dias


Flavio Arns


Professor Oriovisto Guimarães

S5 Box