Qua, 12 de Abril de 2017 11:03

Delação cita pedidos de Lula para filho e irmão que envolviam mesada da Odebrecht

Por que ainda não foi preso? Por que ainda não foi preso?



Réu em cinco processos referentes à Lava Jato e seus desdobramentos, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é alvo de outros seis pedidos de investigações criminais enviados pelo ministro Edson Fachin – relator do caso no Supremo Tribunal Federal – para a Justiça Federal de primeira instância. As solicitações foram feitas com base em delações de executivos e ex-executivos do Grupo Odebrecht.

Lula, segundo delatores, se comprometeu a melhorar as relações entre a empreiteira e a presidente Dilma Rousseff em troca de apoio da Odebrecht a projetos de seu filho caçula, Luís Cláudio Lula da Silva. O ex-presidente, conforme relatos, também tinha conhecimento do pagamento de uma mesada a seu irmão mais velho, José Ferreira da Silva, o Frei Chico.

Segundo depoimento do patriarca da família, Emílio Alves Odebrecht, e do ex-diretor de Relações Institucionais da empreiteira, Alexandrino Alencar, “o ex-presidente Lula teria se comprometido a melhorar a relação entre o Grupo Odebrecht e a então presidente Dilma, sendo que, em contrapartida, receberia o apoio da Odebrecht na atividade empresarial desenvolvida por seu filho Luís Cláudio”.

Os delatores dizem que chegaram a se encontrar com o caçula de Lula para conhecer o projeto “Touchdwn”, que previa a criação de uma liga de futebol americano no Brasil. A petição de Fachin não deixa claro se houve algum repasse da Odebrecht a Luís Cláudio. O filho do petista é investigado na Operação Zelotes. A empresa dele, LFT Marketing Esportivo, teria recebido R$ 2,5 milhões da Mautomi & Marcondes, que representava montadoras de automóveis em Brasília.

‘Mesada’

Em outro depoimento, Alexandrino e o ex-chefe do chamado departamento de propinas da Odebrecht, Hilberto Mascarenhas Alves da Silva Filho, disseram que Frei Chico recebia uma espécie de mesada da empreiteira. “Os pagamentos eram efetuados em dinheiro e contavam com a ciência do ex-presidente”, diz a petição.

Irmão mais velho de Lula e ex-militante do Partido Comunista, Frei Chico foi o responsável por despertar o interesse do ex-presidente pela política e iniciar o petista pelo sindicalismo. Ele não foi encontrado ontem.

Oito delatores, entre eles Emílio e seu filho Marcelo Odebrecht, relataram outros casos env0lvendo o ex-presidente.

Um deles é a suposta negociação em torno da edição da Medida Provisória 703/15 que regulamenta a possibilidade de acordos de leniência entre o poder Executivo e pessoas jurídicas sem a participação do Ministério Público.

Outro pedido de abertura de inquérito diz respeito às obras realizadas pela Odebrecht no sítio usado por Lula em Atibaia e à compra de um terreno para o Instituto Lula em São Paulo.

Os outros dois pedidos enviados por Fachin à Justiça Federal de Curitiba tratam de delações sobre ações no setor petroquímico, área de interesse da Brakem, empresa do Grupo Odebrecht, e de supostas interferências de Lula junto a autoridades de Angola em favor da empreiteira.

Fachin também enviou à Justiça Federal de São Paulo trechos da delação de Alexandrino que falam em um suposto pedido de caixa 2 de Lula para a campanha de Fernando Haddad à prefeitura em 2012.

Defesas. O Instituto Lula informou que “os advogados não conhecem os autos, reiteram que Lula nunca agiu na ilegalidade e que o ex-presidente vem sendo alvo de acusações frívolas e sem nenhuma materialidade”.

Fernando Haddad (PT) afirmou que “nunca soube que Lula tivesse tratado de arrecadação de recursos” para sua campanha. Ele afirmou que contrariou os dois principais interesses da empreiteira na cidade durante seu governo.


S5 Box