Seg, 17 de Abril de 2017 22:39

Vadiagem adiada, não descartada...

CUT sempre por trás da baderna CUT sempre por trás da baderna



Reunidos na noite desta segunda-feira (17), trabalhadores ligados ao Sindicato dos Servidores Públicos Municipais (Sismuc) decidiram convocar para o próximo dia 24 assembleia unificada com as demais categorias do funcionalismo público, o que pode levar Curitiba a enfrentar uma greve geral de servidores. O novo encontro deve contar também com a participação de trabalhadores ligados ao Sindicato dos Servidores do Magistério (Sismmac), do Sindicato dos Guardas Municipais (Sigmuc) e do Sindicato dos Servidores do Poder Legislativo (SindiCâmara). As categorias protestam contra o ajuste fiscal proposto pelo prefeito Rafael Greca. Caso as categorias definam pela greve, a paralisação irá começar no dia 28.

De acordo com Adriana Claudia Kalckmann, da direção do Sismuc, os trabalhadores decidiram por unificar a luta, uma vez que o ajuste afeta a todos os servidores de Curitiba. “Não temos autonomia por falar em nome dos outros sindicatos, então se torna importante essa assembleia conjunta. Além de pautas específicas da nossa base, temos esse projeto que retira muitos dos nossos direitos e vamos lutar contra”, explicou.

Entre as medidas do ajuste e que os servidores são contra está a suspensão do plano de carreira e o adiamento da data-base da categoria.

Tanto professores, quanto guardas municipais, estão em estado de greve contra o projeto de Greca. As categorias afirmam que para a paralisação não acontecer, o prefeito precisa retirar o ajuste de discussão na Câmara Municipal.

Segundo o prefeito Rafael Greca, o ajuste fiscal é necessário para “tirar o município de uma situação absolutamente caótica e injustificável”. De acordo com ele, esse cenário gerou a falta de pagamento para fornecedores durante a administração anterior e em dificuldades para a cidade honrar os compromissos atualmente.


S5 Box