Sex, 05 de Maio de 2017 09:18

STF decide na quinta se Carli Filho vai a júri popular


O Supremo Tribunal Federal (STF) decide na próxima quinta-feira (11) se o ex-deputado estadual Luiz Fernando Ribas Carli Filho será julgado ou não por um júri popular. O primeiro a votar será o relator do caso, o ministro Gilmar Mendes. Na sequência, votam os demais ministros. Carli Filho deveria ter sido julgado pelo Tribunal do Júri em janeiro do ano passado, mas um habeas corpus suspendeu o júri. Ele é acusado de ser o responsável pela morte de Gilmar Yared Filho e Carlos Murilo de Almeida em um acidente de trânsito no bairro Mossunguê, em Curitiba, no dia 7 de maio de 2009. Carli Filho estava embriagado, como comprovaram exames e dirigia em alta velocidade.

A defesa do ex-deputado alega que não se trata de um caso de duplo homicídio intencional, já a acusação argumenta que Carli Filho, ao dirigir alcoolizado e em alta, assumiu o risco de matar.

Os ministros vão avaliar uma decisão liminar dada pelo ministro Ricardo Lewandowski, que impediu o julgamento popular no ano passado.

A defesa de Carli Filho alega que o julgamento não pode ser realizado enquanto todos os recursos pendentes no Superior Tribunal de Justiça (STJ) não forem julgados. Além deste recurso, ainda há outro no próprio STF, que sustentam que Carli Filho deveria ser julgado por homicídio culposo – sem intenção de matar – e não por homicídio doloso, que prevê a realização de júri popular.

O caso

Carli Filho é acusado de matar Gilmar Rafael Souza Yared e Carlos Murilo de Almeida em um acidente de trânsito em maio de 2009, no bairro Mossunguê, em Curitiba. Segundo a acusação, ele dirigia embriagado e a 173 km/hora. Na ocasião, o Departamento de Trânsito (Detran) informou que o ex-deputado tinha 130 pontos na carteira de habilitação por infrações de trânsito.

Voltar ao Topo