quarta, 16 de outubro de 2019


Dom, 02 de Julho de 2017 11:40

Paraná deverá colher 39,1 milhões de toneladas de grãos na safra 2017

... Em se plantando tudo dá ... Em se plantando tudo dá


Levantamento divulgado pelo Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria estadual da Agricultura, aponta que a safra 2017, somada a de verão/outono, está estimada em 39,1 milhões de toneladas, cerca de 26,1% superior a obtida na mesma temporada em 2016.

A colheita de feijão segunda safra caminha para o final com repercussão na qualidade devido ao excesso de chuvas no início do mês de junho. A de milho, também segunda safra, está iniciando, devendo intensificar-se com a melhora das condições climáticas dos últimos dias e ao longo do mês de julho.

O secretário estadual da Agricultura, Norberto Ortigara, diz que esse volume de produção da safra paranaense é resultado da integração do setor público e privado, da dedicação dos produtores rurais, da vocação associativista e cooperativista, mais o processo de capacitação constante de técnicos e produtores no meio rural paranaense. “Essa é a única forma de se manter na atividade de forma competitiva e sustentável. É o resultado de muito trabalho e dedicação de todos os envolvidos no setor produtivo agropecuário”, afirmou. 

ÁREA PLANTADA - O diretor-geral do Deral, Francisco Simioni, destaca que não houve incremento de área no Paraná, pois a fronteira agrícola está praticamente esgotada. Contudo, o uso intensivo de tecnologia tem mostrado resultado e os números da safra são visíveis. Segundo ele, este ano estão sendo alcançadas marcas excelentes em qualidade e produtividade. Exceto o feijão da segunda safra, que sofreu com frio no final de abril e muita chuva na primeira quinzena de junho. A partir de agora, os produtores já começam a movimentar-se para o preparo de solo da safra de verão 2017-2018, que não deve ter grandes alterações em relação a 2016-2017, considerando as tendências de mercado das principais commodities, como o milho e a soja. 

Simioni alerta ainda que os produtores precisam fazer uma programação bem calibrada para a próxima safra, considerando que o ritmo de comercialização ainda é lento para soja e milho e em aproximadamente 30 dias inicia a colheita de trigo e cereais de inverno da região oeste e, na sequência, no norte. 

“Até aqui não ocorreram problemas de armazenagem, mas é preciso estar atento com essa logística nas propriedades e nos armazéns, pois a expectativa é de que a produção paranaense alcance 42,8 milhões de toneladas somadas as três safras, primavera/verão, verão/outono e a de inverno”, diz Simioni. 

FEIJÃO SEGUNDA SAFRA - A colheita de feijão da segunda safra já atingiu cerca de 96% dos 237 mil hectares cultivados nesta safra e o restante deverá ser concluído nos próximos dias. De acordo com Methódio Groxko, economista e responsável técnico e conjuntural da cultura, a produção está estimada em 355 mil toneladas, o que significa uma redução de 19%, em função do excesso de chuva durante o período de colheita.

A geada no final de abril e as chuvas causaram perdas no volume de produção e principalmente na qualidade do produto. Em função da baixa qualidade, a comercialização está mais lenta, tendo atingido apenas 70%, contra 95% no mesmo período do ano passado.

Em relação aos preços, os produtores estão recebendo R$159,00 por saca de 60 kg para o feijão de cor, e R$ 133,00 pela mesma quantidade de feijão preto. Esses preços significam uma redução de 58% para o feijão de cor e 31% para o feijão preto, comparativamente ao mês de junho de 2016, afirmou Grosko.

MILHO - A colheita da segunda safra de milho iniciou-se de forma intensiva na última semana de junho. Devido ao atraso no plantio em decorrência de fatores climáticos, a colheita será também tardia. Nesta semana a colheita é estimada em 4% de uma área total de 2,4 milhões de hectares, informou o técnico do Deral, Edmar Gervásio. 

A produtividade esperada é superior a 5.700 quilos por hectare, que pode resultar no final da safra uma produção total superior a 13,8 milhões de toneladas.

Para o cenário brasileiro espera-se uma produção total superior a 93 milhões de toneladas, e isto fatalmente pressiona os preços do milho, destacou Gervásio. No Paraná a saca de 60 quilos está sendo negociada entre R$ 19,00 e R$ 21,00, no mesmo período do ano passado o milho era negociado a valores superiores a R$ 38,00.

A alta disponibilidade de milho no mercado interno pode propiciar um aumento significativo nas exportações e o Paraná poderá atingir mais de 4 milhões de toneladas exportadas neste ano. A segunda safra de milho ainda demanda atenção, pois há ainda pelo menos 50% de toda a área suscetível a risco climático e consequentemente uma eventual perda de produtividade, diz Gervásio.

SOJA - A produção de soja no Paraná é de 19,6 milhões de toneladas. Volume 19% superior aos 16,5 milhões de toneladas produzidas na safra 2015/16. O clima favorável foi fator determinante para o resultado positivo, segundo o economista chefe da Divisão de Conjuntura Agropecuária e responsável pela cultura de soja do Deral, Marcelo Garrido. A área cultivada foi de 5,25 milhões de hectares, valor levemente inferior à da safra 2015/16, quando foram semeados cerca de 5,28 milhões de hectares, diz Garrido. 

Com um volume maior, os produtores enfrentam redução nos valores recebidos. Em junho de 2016, o produtor recebeu, em média, cerca de R$ 81,00 por saca de 60 kg. Na última semana, a mesma saca foi comercializada por R$ 58,00, uma redução de 28%. 

O valor menor tem impactado na comercialização. Até o momento foram negociados cerca de 55% do produto, ou 10,8 milhões de toneladas. Na safra passada, neste mesmo período, já haviam sido comercializados 12,5 milhões de toneladas, 75% do volume produzido. “Essa condição está sendo monitorada com mais atenção”, afirmou Garrido.

TRIGO - A projeção de área plantada teve poucas alterações neste último mês, estando avaliada em cerca de 970 mil hectares. Confirmada essa estimativa, a redução de área poderá atingir o percentual de 11% frente a área cultivada na safra 2016. A estimativa é de uma colheita de 3,1 milhões de toneladas.

De acordo com o agrônomo responsável técnico pela cultura de trigo, Carlos Hugo Godinho, os plantios estão evoluindo de forma mais precoce este ano, com percentuais expressivos de plantio em abril e maio, chegando a 71% no dia 31 de maio, 11 pontos acima da média para o período. Atualmente a área de trigo plantada é estimada em 92% do total. Godinho explica que isto se deve à intenção dos produtores de antecipar o plantio e, consequentemente, a colheita do trigo, a fim de realizar os plantios de verão no período ideal. Segundo ele, as condições sanitárias das lavouras estão boas, contudo as previsões de que as chuvas sejam superiores à média neste inverno e início de primavera preocupam, pois podem prejudicar a qualidade do cereal e os trabalhos de colheita.




Twitter - Políticos

Jair Bolsonaro


Ratinho Junior


Rafael Greca


Álvaro Dias


Flavio Arns


Professor Oriovisto Guimarães

S5 Box