domingo, 18 de novembro de 2018


Dom, 11 de Fevereiro de 2018 14:42

Professora do curso mais popular da Universidade Yale dá dicas para ser feliz...


"A ciência nos mostrou que ser feliz requer um esforço intencional", diz a psicóloga Laurie Santos.

A americana, que tem ascendentes vindos de Cabo Verde, é professora na Universidade Yale em New Haven, nos Estados Unidos, onde dá aula de "psicologia e boa vida".

Com mais de 1.200 alunos matriculados, seu curso se tornou recentemente o mais popular nos três séculos da história de Yale.

"A psicóloga Sonja Lyubomirsky compara ser feliz com aprender a tocar violino ou a se tornar um astro do futebol", diz Santos. "Não é algo que você simplesmente possa fazer. Tem que praticar para ser cada vez melhor".

Com base nessas premissas, Santos ensina seus alunos a "hackear-se", isto é, reprogramar os próprios hábitos para conquistar uma vida mais saudável e satisfatória.

Estas são algumas das tarefas que os alunos de Santos têm de cumprir para tentar ser mais felizes:

1. A lista da gratidão

Durante uma semana, todas as noites, os alunos devem escrever as coisas pelas quais eles se sentem gratos.

 

Então eles criam sua lista da gratidão, com agradecimentos a pessoas e instituições e reconhecendo as próprias conquistas pessoais ou experiências de vida.

"Parece bem simples, mas vimos que aqueles que fazem este exercício regularmente tendem a ser mais felizes", diz Santos.

2. Dormir mais e melhor

Segundo Santos, esse exercício é muito difícil para seus alunos, já que em Yale eles devem cumprir uma grande quantidade de tarefas.

 

O desafio é dormir 8 horas por noite por uma semana.

"Parece bobo, mas sabemos que o aumento do sono diminui a depressão e aumenta a atitude positiva", diz Santos.

3. Meditar

A tarefa consiste em meditar 10 minutos por dia.

Santos explica que os estudos mostram que a meditação e outras práticas que aumentam a atenção plena podem ajudá-los a ser mais felizes.

4. Mais tempo para compartilhar com a família e amigos

Santos também menciona que a pesquisa mostrou que as coisas que normalmente trazem felicidades têm a ver com relacionamentos interpessoais e conexões sociais.

"Tenha tempo para estar com seus amigos e sua família, aproveitar o momento, estar consciente e conhecer o mundo", afirma.

 

"Muitas vezes, relacionamos a riqueza com a quantidade de dinheiro que temos", explica Santos, "mas a pesquisa mostrou que o sentimento está mais relacionado com quanto tempo você tem".

"Se você está sacrificando seu tempo para trabalhar mais e ganhar mais dinheiro, isso não é um bom comportamento. Seria melhor aumentar a quantidade de tempo livre que você tem", conclui a professora.

5. Menos redes sociais e mais conexões reais

Para Santos, também é importante não se deixar enganar pelas sensações de satisfação oferecidas pelas redes sociais.

 

"A pesquisa mostra que as pessoas que mais usam redes, como o Instagram, tendem a ser menos felizes do que aquelas que as usam menos. Isso significa que essas redes sociais não estão nos tornando tão felizes quanto pensamos".

Aparentemente, o grau e a profundidade da interação nessas plataformas não supre a necessidade de sociabilidade, além de consumir tempo que poderia ser mais bem empregado com outras atividades que também produzem felicidade.

"Você precisa se desconectar das redes sociais e dormir um pouco mais", sugere Santos.




Twitter - Políticos

Michel Temer


Beto Richa


Rafael Greca


Álvaro Dias


Gleisi Hoffman


Roberto Requião

S5 Box