quinta, 20 de setembro de 2018


Seg, 05 de Março de 2018 18:40

Universidades públicas brasileiras perderam a razão


Marilena Chauí, a musa intelectual das esquerdas, a mesma que afirma odiar a classe pelo seu viés terrorista e conservador, avalia, a seu modo, que a crise nas universidades públicas é resultado do avanço neoliberal e da entrada da iniciativa privada internacional no mercado brasileiro. Trata-se aqui de uma visão muito particular da crise que assola as universidades do país, mas que, observada de perto, com vagar, está muito longe da realidade. Afirmar que o papel das universidades é ser parte da luta de classes coloca apenas uma pedra sobre o problema e lança essas instituições na rinha de galo dos partidos, como se elas fossem extensão das disputas de legenda por nacos do poder.

O problema fica maior ainda quando a elite do pensamento dentro das próprias universidades, ao se recusar enxergar o óbvio, lança mais gasolina na fogueira, querendo, a todo o custo, reerguer o Muro de Berlim, ou retornar mais longe ainda, a maio de 1968, época em que os estudantes franceses, ao protestarem contra a reforma de ensino proposta pelo governo Charles De Gaulle, conseguiram paralisar todo o país e parte da Europa, numa greve geral que reuniu mais de 9 milhões de pessoas. A questão, como muitos tentam justificar, não é a falta de recursos.

O Brasil é o país que mais gasta com ensino superior público. Estudos mostram que o custo do estudante da faculdade pública brasileira está entre os mais altos do mundo. O problema maior é justamente com a gestão desses recursos. Nessas instituições de ensino, os recursos públicos são absorvidos integralmente pela folha salarial, restando absolutamente nada para outras áreas. O rombo nas contas das universidades tem sido uma constante.

Em 2016, a universidade de Brasília (UnB) apresentava um déficit de mais de R$ 100 milhões. O rombo nas maiores universidades do país ultrapassa hoje os R$ 400 milhões e sem perspectivas de solução. Na Universidade de São Paulo (USP), por muito tempo a melhor em todos os quesitos, a folha de pagamentos ultrapassa os 105% dos recursos. Todo o dinheiro é gasto com pagamento de pessoal da ativa e de aposentados. O orçamento furado das universidades, contudo, não é o maior problema dessas instituições.

A universalização do ensino superior é uma falácia. De fato, as universidades públicas do país têm perpetuado o modelo excludente presente em outras esferas do Estado. Em seus quadros, com as exceções de regra, estão as elites, quer ensinando ou aprendendo e que, das agruras de lutas de classes, conhecem apenas o que está escrito em livros de história ou sociologia. Se voltam contra o Estado opressor e em favor dos oprimidos, mas se indignam quando têm que se abaixar para apanhar um papel no chão ou dar o lugar para um idoso dentro do ônibus.

Não possuem, de fato, uma “vida acadêmica”, permanecendo na academia apenas o tempo necessário para cumprir tarefas. Não participam de atividades extraclasses e não prestam serviços gratuitos à comunidade, o que seria o mínimo como contrapartida pelos estudos sem ônus, bancados pela sociedade.

Alunos e professores se sentem no Olimpo, dotados de uma áurea especial e, portanto, se sentem desobrigados a meter a mão na massa e construir um ambiente de harmonia dentro e fora das universidades. A partir dos anos 2000, essa situação passou a adquirir um aspecto mais sinistro ainda. (Por Ari Cunha, postado no blog do Tupan/Bem Paraná)




Twitter - Políticos

Michel Temer


Beto Richa


Rafael Greca


Álvaro Dias


Gleisi Hoffman


Roberto Requião

S5 Box