Seg, 28 de Janeiro de 2019 10:53

Programa Escolas Transformadoras propõe reflexão sobre como projetos político-pedagógicos podem orientar transformações nas escolas, em debate ao vivo, dia 31 de janeiro



Inspirar a construção de projetos político-pedagógicos transformadores é o foco do primeiro debate do programa Escolas Transformadoras de 2019. A conversa online e ao vivo no Facebook e no Instagram do programa reunirá, às 17h (horário de Brasília) do dia 31 de janeiro, gestores de escolas e especialistas em educação para dialogarem sobre como nascem projetos político-pedagógicos transformadores e como as propostas reunidas nesse documento podem refletir os anseios de educadores, estudantes e famílias em relação às escolas, bem como orientar transformações futuras.

Participam da conversa Vitor Henrique Paro, professor titular na Faculdade de Educação da USP; Maria Amélia Cupertino, coordenadora pedagógica do Colégio Viver; e Elton Luz, diretor da Escola Estadual Alan Pinho Tabosa. Os convidados compartilharão suas experiências sobre as oportunidades e os desafios propostos na elaboração dos seus projetos político-pedagógicos, bem como a importância de revisitarem esse documento ao longo do ano letivo para incluírem as perspectivas de toda a comunidade escolar envolvida e promover mudanças nas diretrizes.

"Mais do que um material escrito, o projeto político-pedagógico representa uma oportunidade de construção coletiva sobre o propósito de cada escola e os meios para alcançá-lo. Esperamos auxiliar educadores para que eles estimulem em suas comunidades a potência de agir de cada um e do coletivo e para o nascimento ou afirmação de novas formas de educar e aprender nas escolas", diz Raquel Franzim, cocoordenadora do programa Escolas Transformadoras, correalizado no Brasil pela Ashoka e pelo Instituto Alana.

O bate-papo também será marcado pela apresentação dos Planos de Formação de Educadores, produzidos pela equipe pedagógica do Instituto Alana como conteúdo extra da série "Corações e mentes, escolas que transformam", disponível para exibições públicas e gratuitas na plataforma Videocamp. Dirigida por Cacau Rhoden e lançada no segundo semestre de 2018, a série mostra como práticas de escolas públicas, comunitárias e particulares de São Paulo, Paraná, Bahia, Pernambuco, Ceará e Amazonas propõem a jovens, crianças e adultos que se tornem criadores de novas formas de ser, conviver e pensar, tanto em suas vidas quanto em suas comunidades.

Os Planos de Formação de Educadores foram elaborados para auxiliar e inspirar diretores e coordenadores pedagógicos em momentos de formação de professores em suas escolas. Os conteúdos sobre empatiatrabalho em equipecriatividade eprotagonismo, temas de cada episódio, estarão disponíveis no Videocamp na página de cada um dos quatro capítulos da série. Esse conteúdo especial de "Corações e mentes", bem como todos os outros disponíveis no Videocamp, podem ser acessados por usuários cadastrados na plataforma como educadores.

Debate ao vivo: "Como nascem projetos político-pedagógicos transformadores?"

Quando: Dia 31 de janeiro, às 17h (horário de Brasília)
Com transmissão ao vivo no Facebook e no Instagram do Escolas Transformadoras


Sobre a Ashoka

A Ashoka é uma organização social global fundada em 1981 e congrega mais de 3 mil empreendedores sociais em 84 países. Busca colaborar na construção de um mundo de pessoas que transformam (Everyone a Changemaker'), onde qualquer pessoa pode desenvolver e aplicar as habilidades necessárias para solucionar os principais problemas sociais que enfrentamos hoje e amanhã.

Sobre o Instituto Alana

Instituto Alana é uma organização da sociedade civil, sem fins lucrativos, que aposta em programas que buscam a garantia de condições para a vivência plena da infância. Criado em 1994, é mantido pelos rendimentos de um fundo patrimonial desde 2013. Tem como missão "honrar a criança".




Twitter - Políticos

Jair Bolsonaro


Ratinho Junior


Rafael Greca


Álvaro Dias


Flavio Arns


Professor Oriovisto Guimarães

S5 Box