quinta, 12 de dezembro de 2019


Seg, 23 de Setembro de 2019 12:50

Blog curitibano revela: bacalhau do Porto e queijo holandês na mesa de Ratinho


 É nas gélidas águas do Atlântico Norte que são pescados e salgados os melhores bacalhaus do mundo. O legítimo, conhecido popularmente como Bacalhau do Porto, e cientificamente por Gadus Morhua, é considerado o mais nobre, mais largo e com as postas mais altas. A carne, de coloração amarelo-palha, quando cozida, apontam os livros de receitas, desfaz-se em lascas claras e tenras, de sabor inconfundível e sublime.

Recomendado em todos os pratos da cozinha internacional, este é o bacalhau cobrado pela Casa Civil do governo paranaense em edital de até R$ 120 mil para compra de alimentos para as refeições da governadoria e do secretariado, segundo o que constatou o site Livre.jor em pesquisa no Portal da Transparência do governo estadual.

Da iguaria conhecida das cozinhas portuguesas o governo do Paraná pretende comprar 64 pacotes de um quilo. Cada pacote pode custar até R$ 209, quase metade dos R$ 440, valor estimado pelo Dieese para a cesta básica em Curitiba, composta por mais de 40 quilos de alimentos como carnes, arroz e feijão.

O peixe salgado é um dos mais de 110 itens na lista de compra de pescados, frios, laticínios e condimentos para, conforme especifica o documento do edital, “atendimento da demanda dos gabinetes da Governadoria, Vice-Governadoria e Casa Civil, por parte da cozinha do Palácio Iguaçu em almoços ou jantares oficiais”.

O “fiel amigo”, expressão pela qual o bacalhau é conhecido em terras portuguesas, não ficará sozinho na mesa do poder executivo. Do edital da Casa Civil, podemos ainda destacar outros itens de luxo, como 6,4 quilos de carpaccio de salmão, ao preço de até R$ 60 o pacote com 200 gramas; ou ainda dois quilos do queijo tipo Massdam, de origem holandesa, conhecido por ter um sabor doce, amanteigado e de nozes com um fundo trufado. O governo está disposto a pagar até R$ 104 o quilo.

O edital segue o modelo de registro de preços, o que não cria a obrigação do governo comprar exatamente o total de alimentos cotado. A quantidade de produtos, contudo, segundo a Casa Civil no documento, foi definida com base na média utilizada mensalmente “pela divisão de serviços gerais, setor responsável pelo recebimento dos itens, bem como o preparo da parte de alimentação”. Os preços unitários variam de R$ 10 para um pacote de meio quilo de farinha de rosca, a R$ 240 para um quilo de zimbro, um tipo de tempero seco.

Carpaccio de carne; copa curada; lombo defumado; salame italiano; peito de peru defumado; queijos tipo emmental, esférico, cottage, gorgonzola, provolone, gouda e gruyére; damasco seco; tomate seco; azeitona graúda verde e preta; sorvetes de morango, chocolate, creme e flocos; amêndoa; avelã; noz chilena; noz macadâmia; pistache; noz pecan; pimenta caiena; zattar e vários outros itens estão a lista de compras do governo. Confira o edital no site da transparência. (A informação é do blog Contraponto)




Twitter - Políticos

Jair Bolsonaro


Ratinho Junior


Rafael Greca


Álvaro Dias


Flavio Arns


Professor Oriovisto Guimarães

S5 Box