Sex, 01 de Novembro de 2019 19:11

'Nem Evo, nem Mesa': Protestos se radicalizam na Bolívia apesar de auditoria eleitoral da OEA


Manifestantes voltaram às ruas da Bolívia nesta sexta-feira (1º) para protestar contra o resultado da eleição que deu ao presidente Evo Moralesquarto mandato consecutivo. Desta vez, porém, grupos se posicionaram contra o segundo colocado na votação, Carlos Mesa, em um ato que ficou marcado como "Nem Evo, Nem Mesa".

Os atos ocorrem no início da auditoria comandada pela Organização dos Estados Americanos (OEA). A entidade, além de países como Brasil, Argentina e Estados Unidos, manifestou-se favorável a uma análise do pleito. Evo prometeu apoiar um segundo turno com Mesa caso se comprove a fraude denunciada por opositores.

Entre os apoiadores do "Nem Evo, Nem Mesa", os manifestantes propõem uma nova eleição em que seja proibida a participação dos dois candidatos mais votados. Os protestos por essa proposta se concentraram em La Paz e em Cochabamba.

Houve, ainda, manifestantes da oposição que concordaram em não esperar a auditoria da OEA e apoiar uma nova eleição sem Evo, mas com Mesa. O presidente rechaçou a ideia.

Voltar ao Topo