Qui, 19 de Dezembro de 2019 21:40

A Holanda está se tornando um narco-Estado

Montagem com foto da vítima e cena do crime: 'Holanda é um narco-Estado", diz sindicato policial Montagem com foto da vítima e cena do crime: 'Holanda é um narco-Estado", diz sindicato policial


"Nós definitivamente temos as características de um narco-Estado", diz Jan Struijs, presidente do maior sindicato policial da Holanda.

"Claro que não somos o México. Não temos 14.400 assassinatos. Mas se você olhar para a infraestrutura, a quantidade de dinheiro arrecadada pelo crime organizado, a economia paralela... Sim, temos um narco-Estado."

As palavras dele ecoam em uma sociedade que se chocou com um assassinato que foi muito além da bolha do submundo do crime.

A morte de Derk Wiersum pôs em evidência um equívoco comum na Holanda: a ideia de que os carteis de drogas matam apenas entre eles. Com 44 anos, pai de dois filhos, Wiersum foi morto a tiros na frente de sua esposa, do lado de fora de sua casa em Amsterdã, em setembro.

'Isso é para nos assustar'

Wiersum era o advogado de uma testemunha da acusação, Nabil Bakkali, que havia se tornado informante em um caso contra dois dos suspeitos mais procurados da Holanda.

Os tiros em plena luz do dia, em um bairro tranquilo, foram vistos como um ataque à sociedade civil, à democracia e ao Estado de Direito.

"Isso é para nos assustar", alertou o promotor público Fred Westerbeke. "Devemos continuar a usar testemunhas-chave, caso contrário não conseguiremos avançar."

De repente, explodiram os temores do paraíso dos usuários de drogas se transformando em um porto para crimes relacionados às drogas e uma economia minada.

"Alguns incidentes nos últimos anos foram como um sinal", explica Wouter Loumans, cujo best-seller, Mocro Mafia, é uma história que mostra a ascensão de uma nova geração de criminosos em Amsterdã.

"Havia sinais de que eles poderiam transitar do submundo para o 'mundo superior', e agora isso aconteceu."

Loumans lista uma série de incidentes como evidência da escalada da brutalidade: dois meninos mortos em um tiroteio com fuzis AK-47, com balas ricocheteando nas paredes; uma mãe assassinada na frente dos filhos; uma cabeça decepada do lado de fora de uma cafeteria; o assassinato do irmão de uma testemunha, Reduan Bakkali; e o assassinato de Derk Wiersum.

O que é a 'Mocro Mafia'?

 

"É uma gíria de rua. Os jovens marroquinos se chamam 'Mocro'", diz Loumans, que escreveu o livro com Marijn Schrijver.

"Nós criamos o termo 'Mocro Mafia' para resumir o que era o livro. Agora vejo que eles usam nos relatórios da polícia. Mas não são apenas os marroquinos. São garotos que crescem em áreas de Amsterdã onde os turistas nunca vão."

"Não são canais, o Rijksmuseum, o museu Van Gogh. São os conjuntos habitacionais. Eles não têm as mesmas oportunidades. Eles são ambiciosos, estão procurando uma carreira no submundo."

'Sociedade apodrecida'

Mesmo antes do assassinato de Wiersum, um relatório encomendado pelo prefeito de Amsterdã em agosto descreveu a capital como um "Valhalla (enorme salão, na mitologia nórdica) para criminosos que atuam no ramo das drogas".

A Holanda ainda não era um narco-Estado, mas corria o risco de se tornar um, advertiu o ministro da Justiça, Ferd Grapperhaus.

"Sabíamos que estava chegando", disse Jan Struijs. "Advogados, prefeitos, policiais, todos nós fomos ameaçados pelo crime organizado. Todos os alarmes soaram, mas os políticos foram ingênuos. Agora, os alicerces da nossa sociedade estão apodrecendo."

Alguns dias depois, outro advogado holandês, Philippe Schol, foi baleado na perna em um tiroteio enquanto passeava com seu cachorro perto de casa, do outro lado da fronteira com a Alemanha.

Uma pesquisa de opinião apontou que 59% das pessoas acreditavam que a Holanda é agora um narco-Estado, ou seja, um país cuja economia depende do comércio de drogas ilegais.

Parece irônico que, em uma nação burocrática que envia rapidamente um lembrete sobre imposto sobre cães ou multa por pagamento atrasado no estacionamento, os gângsteres permaneçam em liberdade e os tiroteios de gangues ocorram regularmente.

Prisão dos mais procurados da Holanda

Então, aconteceu uma importante prisão no Golfo nesta semana.

Ridouan Taghi, de 41 anos, foi detido entrando em Dubai com uma identidade falsa e mantido sob um mandado de prisão internacional por suspeita de vários assassinatos e tráfico de drogas.

Descrito pela polícia como um dos "homens mais perigosos" do mundo, suspeita-se que ele tenha ordenado uma série de execuções, incluindo o assassinato de Derk Wiersum.

Os promotores holandeses imediatamente buscaram a extradição dele, antes de um grande julgamento de gangues marcado para março de 2020, e ele foi levado de avião para a Holanda na quarta-feira.

O "caso Marengo" envolve cinco assassinatos e uma série de tentativas de assassinato, incluindo o irmão do informante Nabil Bakkali.

Acredita-se que Ridouan Taghi estava morando em Dubai com sua esposa e seis filhos.

A polícia holandesa disse que sua prisão foi resultado de intensa cooperação internacional, e não de uma denúncia. Cem detetives estavam envolvidos no caso e o chefe da polícia, Erik Akerboom, disse que a prisão era "de grande importância para a Holanda".

"Taghi e seus cúmplices representam uma ameaça ao Estado de Direito. É muito importante para nós, como policiais, remover as ameaças", disse ele.

No dia seguinte, seis pessoas foram presas em diferentes pontos da Holanda por suspeita de lavagem de dinheiro, posse de drogas e armas de fogo.

Embora a prisão de Ridouan Taghi tenha sido um sucesso para as autoridades holandesas, Wouter Loumans duvida que isso impeça os mais jovens de aspirar a seguir seus passos.

"É uma questão de oportunidades na sociedade. Eles não são diferentes de banqueiros ou jornalistas, eles querem ganhar dinheiro. Se você não é um bom jogador de futebol ou não tem cérebro para sair daquele mundo, esse é seu meio. Não é apenas um problema relacionado às drogas, é um problema social."

Qual é o tamanho do problema das drogas na Holanda?

De certa forma, a Holanda criou o ambiente perfeito para o comércio de drogas.

Com sua extensa rede de transporte, suas leis e penalidades brandas sobre drogas, e sua proximidade com vários mercados lucrativos, tornou-se um local óbvio para o fluxo global de drogas.

O renomado escritor Roberto Saviano, que narra o mundo do crime organizado da Camorra, em Nápoles, acredita que a influência da máfia em Amsterdã é ainda pior.

"Existem clãs de todo o mundo, porque a Holanda é um dos portos de trânsito mais importantes. Eles sabem que quem controla a Holanda tem uma das artérias do mercado global de drogas", disse ele ao jornal Volkskrant.

Bilhões e bilhões de euros circulam nesse mercado clandestino. Estima-se que, apenas em 2017, € 18,9 bilhões (R$ 85,6 bilhões) em drogas sintéticas tenham sido produzidos na Holanda. O país é considerado um líder mundial na produção desses entorpecentes.

 O chefe do sindicato da polícia, Jan Struijs, destaca a velocidade com que essas drogas são transportadas ao redor do mundo.

"No dia em que Donald Trump se tornou presidente, os primeiros comprimidos 'Trumpies' laranja de ecstasy foram encontrados em Schiphol. 24 horas depois já estavam à venda na Austrália", disse.

"Há muitos mexicanos ajudando a produzir metanfetamina na Holanda. Você vê um despejo de cocaína na Venezuela e no Suriname, vê preços muito baixos em Amsterdã, Liverpool e Manchester. (O dinheiro de) cada grama que você compra vai para o crime organizado e para financiar carteis de drogas."

Onde a Holanda se encaixa no mapa das drogas

Os "chefes" da droga da América do Sul começaram enviando seus produtos para a África Ocidental. As drogas foram para o norte por antigas linhas de contrabando do Marrocos, e os jovens marroquinos cujos pais haviam se mudado para a Holanda ainda tinham conexões familiares e rotas de migração para explorar.

Foi assim que a polícia alegou que Ridouan Taghi fez fortuna. Ele herdou ou "ganhou controle" de uma rota de contrabando e começou a traficar cocaína em vez de maconha - o que gerou mais dinheiro e violência.

Embora os líderes operem internacionalmente, a polícia teme que eles usem sua influência interna para "contratar" capangas cada vez mais jovens.

"A polícia entende, mas não tem como intervir", diz Jan Struijs. "Não são apenas os cortes no orçamento. As equipes de prevenção que trabalham com jovens também desapareceram. Então, os jovens estão no radar (dos chefões) e. de repente, os vemos cometendo assassinatos."

Mas isso significa que a Holanda se transformou em um narco-Estado?

"Não temos corpos pendurados nas pontes", afirma Wouter Loumans, "mas temos corrupção nos portos, violência contra advogados, ameaças a jornalistas. Definitivamente, isso é característico de um narco-Estado."

A economia holandesa pode não ser dependente ou definida pela indústria das drogas, mas essa indústria está exercendo uma influência crescente na sociedade.

Voltar ao Topo