Dom, 06 de Janeiro de 2013 11:26

Paraná investe R$ 26,4 milhões para melhorar vida no campo



O secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, apontou os investimentos em programas de melhorias e readequação de estradas rurais entre os que vêm beneficiando agricultores, agroindústrias, cooperativas e prefeituras. Nos programas de readequação e melhorias de estradas rurais foram investidos, em 2012, R$ 12,75 milhões que beneficiaram diretamente 158 municípios paranaenses. No geral, a Secretaria investiu R$ 26,4 milhões em vários programas.
Entre os programas que receberam investimento também estão distribuição de calcário, equipamentos para bovinocultura de leite, microbacias, sistemas de abastecimento e proteção de fontes, integração lavoura, pecuária e floresta, cafeicultura, habitação rural, patrulhas da seda, fundo de aval e seguro rural, apoio a bovinocultura de corte, ovinos e caprinos.
Segundo o secretário, saíram do meio rural cerca de 30 milhões de toneladas de grãos e mais um grande volume de frangos, suínos, bovinos, leite, madeira, hortaliças e insumos agrícolas. “Essa movimentação exige estradas rurais no mínimo conservadas para facilitar o acesso de caminhões que transportam a produção, o transporte escolar e aos serviços de saúde e lazer das comunidades atendidas. Essa estratégia foi adotada este ano e será ampliada para 2013”, disse Ortigara.
COMBUSTÍVEL – Programas repassaram óleo diesel às prefeituras para melhorar a trafegabilidade das estradas. Norberto Ortigara lembrou que pela Constituição Federal, a obrigatoriedade da abertura e manutenção das estradas rurais é dos municípios. “O Estado considera muito importante para a melhoria das condições de competitividade do negócio agrícola no mundo essa ajuda aos municípios paranaenses a terem estradas de boa qualidade, barateando o frete”.
O Estado está investindo R$ 110 milhões em vários programas para apoiar os municípios na tarefa de manter em boas condições as estradas rurais, como o repasse de óleo diesel, as Patrulhas do Campo (programa feito em parceria com a Secretaria de Infraestrutura e Logística) e a pavimentação poliédrica (com pedras irregulares) de trechos prioritários. São 110 mil quilômetros de estradas em áreas rurais, cuja má conservação obriga o produtor rural a gastar quatro vezes mais no transporte para enviar uma tonelada de soja até o porto para exportação, que o produtor da Argentina e dos Estados Unidos, seus maiores concorrentes no mercado mundial de alimentos.
SAFRA – Segundo Ortigara, 2012 iniciou com seca rigorosa que provocou perdas significativas na produção de feijão, milho e soja, principais grãos cultivados no Estado. Esses prejuízos também se expandiram para a produção de suínos e frango de corte, setores que enfrentaram forte crise de custos.
“Os preços dos produtos agrícolas no mundo e no Brasil se reposicionaram e, graças à força do agricultor e à nossa condição especial de ter vários tipos de climas, de cultivar várias safras no mesmo pedaço de chão durante o ano, conseguimos recompor e concluir o plantio da safra 2012/13”, afirmou o secretário.
A expectativa é uma grande safra, em torno de 22,7 milhões de toneladas de grãos de verão 2012/13. “Os produtores deverão ser beneficiados com os preços que ainda se mantém elevados para quase todos os produtos que o Estado produz”, disse.
SANIDADE – Ortigara ressaltou que o governo conseguiu avançar nas melhorias da sanidade animal e vegetal. Em 2012, foi criada e implantada a Agência de Defesa Agropecuária (Adapar) que corresponde ao investimento que o Estado está fazendo na proteção, na promoção da Saúde Animal e Vegetal, visando permitir que a produção paranaense possa acessar qualquer mercado do mundo, especialmente aqueles mais exigentes que pagam preços melhores.
“Estamos em vias de lançar um edital para promover concurso público para o chamamento de 840 novos profissionais para o quadro do Instituto Emater, que possibilitará a orientação técnica assistida para a superação das dificuldades do meio rural para que a comunidade e a família rural possa almejar uma vida melhor.
PROGRAMAS – Em 2012, também foi possível ampliar os investimentos em habitação rural. Há décadas, a família rural estava quase que privada de conseguir uma casa mais decente para morar. “Há cerca de 15 meses conseguimos encaminhar projetos para a construção de mais de 9.400 unidades no meio rural”, afirmou o secretário.
Para 2013, Ortigara disse que a Secretaria e o Instituto Emater tem o desafio de ajudar pelo menos mais 5 mil novas famílias a ter habitação de mais qualidade. “Já contratamos e estamos em execução de pelo menos 200 sistemas comunitários de fornecimento de água de boa qualidade”, completou o secretário.
Foram contratados empréstimos no Banco Mundial para ajudar famílias que estão em condições mais vulneráveis a superar suas dificuldades. O Pró-Rural investirá em iniciativas empreendedoras que podem ajudar a transformar a produção em pequena escala no meio rural, trazendo mais valor agregado, mais renda líquida aos agricultores.
Também foi encaminhado o planejamento dos trabalhos em Microbacias para solução de problemas históricos como a de conservação de solos combinado com o plantio direto. “Vamos voltar a investir forte em microbacias para fazer todas aquelas práticas recomendadas para adequarem as nossas propriedades rurais à boa condução, sob o ponto de vista ambiental tornando mais sustentáveis os processos de produção”, enfatizou o secretário.
Em 2012, também foi ampliado o acesso ao crédito para milhares de famílias de agricultores pelo Fundo de Aval público e ao seguro rural, antes restrito ao trigo e agora ampliado para 28 novas atividades. “Com isso é possível cobrir o risco dos agricultores e contribuir para o barateamento a médio prazo de todos os seguros no meio rural”, avaliou Ortigara.
Foi ampliado o programa Trator Solidário. “Estamos fechando o ano com mil novas unidades fornecidas e financiadas com aval, com equivalência produto para novas famílias terem facilitado o trabalho no dia a dia do meio rural”. “Em 2013 teremos a possibilidade de financiar colheitadeiras de forma coletiva para grupos de agricultores habilitados pelo Pronaf”, antecipou Ortigara.
TRABALHADORES – Ortigara disse ainda que o ano que vem, por orientação do governador Beto Richa, o Governo do Estado concentrará esforços para melhorar as condições dos trabalhadores. “Mas com carinho e atenção para aqueles que se encontram em situação mais vulnerável que são os nossos agricultores familiares e os trabalhadores rurais”.
Ortigara acredita que as perspectivas são boas para a agricultura. “Se tivermos mais sucesso na exploração de proteína animal ou mesmo na produção de grãos, os produtores serão beneficiados com cotações favoráveis dos produtos nesse momento que o mercado mundial está pouco abastecido e oferece preços mais elevados”.
As ações e programas da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento são executados em parcerias com as empresas vinculadas como o Instituto Emater, Companhia de Desenvolvimento Agropecuário do Paraná (Codapar), Ceasa, Instituto Agronômico do Paraná (Iapar), Agência de Defesa Agropecuária (Adapar) e Centro Paranaense de Referência em Agroecologia (CPRA).




Twitter - Políticos

Michel Temer


Beto Richa


Rafael Greca


Álvaro Dias


Gleisi Hoffman


Roberto Requião

S5 Box